terça-feira, 18 de junho de 2013

Por Parte de Pai


"Meu avô me convidou, naquela tarda, para me assentar ao seu lado nesse banco cansado. Pegou minha mão e, sem tirar os olhos do horizonte, me contou..."
O menino admirava seu avô.
O avô amava o menino.

"Por Parte de Pai" conta um período da vida de um menino que não sentia sede quando dormia na casa do avô. Um avô que também odiava gatos e que depois de ganhar na loteria decidiu não trabalhar. O menino gostava da escola, lá ele era igual a todos e todos iguais a ele.

"Filhos de muitos oficios - pedreiros, lavadeiras, professores, médicos, motoristas, órfãos  - e sem inquietações pelas diferenças, nós nos gostávamos em silêncio, vencendo o destino sonhado, um a um. E o recreio era o lugar das trocas: bolo por araticum, maçã por manga, goiaba por chocolate, banana por doce cristalizado. E assim experimentávamos o gosto da vida um do ouro, sem reservas. A nossa diferença era a nossa alegria."

O menino aprendeu com o avô que homem não deve chorar, então manteve a imagem quando viu seu amado amigo, o galo caolho, encher a panela de sua avó. Enquanto a vida passava o menino assistia o diário de seu avô crescer, as paredes da casa estavam marcadas com os relatos de uma bela vida.

Meu avô escutava tudo e escrevia sem meias palavras: "A vida é como fumaça, sufoca e passa."

Informações sobre o livro:
Título: Por Parte de Pai
Autor: Bartolomeu Campos Queirós
Editora: RHJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário